terça-feira, 25 de maio de 2010

Desimportâncias

Conheço o destino dos elefantes
E sei que os tigres estão quase extintos
(Mas é forçoso dizer, e admito,
Tudo isso me soa desimportante).

Discutem-se as ogivas nucleares;
E algum ditador testou hoje outro míssil.
O mundo está cada vez mais difícil.
Mas que importa, se me basta me amares?

Não me diz respeito, se tenho a ti,
Se corre o mundo nova pandemia,
Se nunca terminou a guerra fria
Se a subnutrição assola o Haiti.

Depois penso nisso, outro dia, mais tarde:
eu sinto ainda, no canto da língua,
Um resto do gosto da tua saliva
E tudo é questão de prioridades.

5 comentários:

Carlos Galdino disse...

Seja bem vindo ! é um prazer ter voce por aqui !
tenho certeza que os leitores deste espaço agradecem.

Nadine Granad disse...

Cada qual sente... o seu momento presente!

Gostado!


Abraços carinhosos =)

Allan Vidigal disse...

Muito obrigado pelo espaço!

Devanil Caires disse...

bom!muito bom!

liz disse...

Great!