quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Meio hoje


Hoje estou meio assim
meio sem mim
meio sem tudo

meio mudo
meio tudo
meio nada

hoje estou em casa
na estrada
meio hoje
meio ontem

eu estou meio
cheio de tanto
tudo
tanto nada

eu meio
estou ligado
desligado
e meio

meio amanha
meio nunca mais
meio ainda que vazio
meio mar
mesmo rio

meio seco
mesmo inundado
meio o mesmo
mesmo mudado

4 comentários:

muito alem disse...

gostei muito deste seu novo poema... retrata meio que a vida dos paulistanos que estão sempre meio que procurando alguma coisa coisa pra sair da mesmice de todos os dias... meio cheio, meio vazio.
bjos!

Pablo disse...

Boa Galdino!!

Curti...e estou meio com idéias para essa poesia hehehe,mas conversaremos... abraços!! Muito bom...

Pablo disse...

Boa Galdino!!

Curti...e estou meio com idéias para essa poesia hehehe,mas conversaremos... abraços!! Muito bom...

Blog do Poeta Sandro Pinto disse...

Muito bom! Essa sensação nauseante de estar meio é algo desagradével, não é mesmo? Ainda bem que existe poesia! Gostei muito do balanço das palavras. Abraço. Sandro Pinto.