terça-feira, 26 de outubro de 2010

As vezes,mas só as vezes

As vezes,
mas só as vezes
sinto a vida como uma roupa
que não quer entrar.
Da uma agonia danada,
uma vontade de nada.
Quando é a roupa 
fica fácil, 
so  fazer dieta,
mandar pra costureira
ou dar pra quem de fato 
sirva.
Mas e a vida?
Que na verdade nem é nossa,
muitas vezes só nossa é
na prosa,
pro encanto e pra  fazer
rima na  poesia?
Há dias como hoje
que minha vida não se encaixa.
Vontades não tenho
de nada.
Olhar pra trás,
retroceder 
á a vontade que doi mais.
Quando uma roupa não encaixa,
tento e depois pra 
la eu a deixo.
E quando é minha vida;
que faço com essa dor
que me corta a alma
e me aperta
o peito?
Catiaho Reflexo d'Alma

Um comentário:

Rodrigo Passos disse...

quanto tempo,srrsrs, vc me ajudou a escrever melhor sabia! n deve lembrar de mim, vc estava no meu orkut e chegamos a trocar um idéia sobre poesia! Bjs