domingo, 25 de julho de 2010

Não explanação sobre os motivos

O limite da poesia
é a pauta.
leia nela o que não está escrito.

A fronteira da minha fala
é seu ouvido.
ouça então o que não digo.

A graça da arte é o rebelde,
o proscrito
quero que saiba o que não sigo.



Leia mais na entrevista com Marcelo Novaes.

Nenhum comentário: