quinta-feira, 1 de julho de 2010

chuva de poesia

Lá fora na noite fria
a chuva chove versos de amor,
e as pessoas se protejem
com capas e guarda- chuva.
saio de casa
também quero chover poesia,
e no meu quarto vazio
o balde quase que transborda de;
Azevedo ,Leminski e Florbela.
Devanil Caires

Um comentário:

Nadine Granad disse...

Que chuva maravilhosa!...
... E vivam as goteiras no seu quarto!


Abraços carinhosos =)